Carta de um profano a outro


(Humor)

Zé,
Priciso ti contá esta história.

Tava eu numa noite dessas procurando uma loja de coisas da tua profissão prá comprá o seu presente de Natal, quando encontrei um predião que me apontaram, tudo aceso, cheio de gente. Eta turma boa.

Perguntei: "Aqui é loja de pedreiros?"- Invés de resposta, só foi abraço. Descobriram logo que sou mecânico, Zé, porque todo mundo me perguntava onde ficava a minha oficina.

Lojona bonita aquela, com quadros, tapetes, ventiladores, até livro de visitas tinha que assiná. Gozado, com aquele calorão doido, queriam saber quantos graus estava fazendo e não tinha termômetro. Devia tá mais de 30, então "carquei" lá no livrão: 33. Acho que acertei na mosca, porque todo mundo me abraçava bastante.

Depois todo mundo entrou pro salão onde tava as mercadorias. Tinha cuié de pedreiro, prumo, nível, esquadro, alavanca, compasso, régua, até pedra. Tinha também mesas e cadeiras que não acabava mais. Acho que algumas dessas mesas tava com o tampo solto porque os caras pegaram uns martelinhos e começaram a batê. Até a porta devia está emperrada, porque um sujeito começou a batê com o cabo de um espeto.

Depois pensei que um indivíduo lá era cego. Perguntou onde sentava fulano..., onde sentava o sicrano..., queria saber que horas eram..., coitado! Teve um espírito de porco que falou prá ele que era meio-dia em ponto. E não é que ele acreditou!

Depois outro sujeito foi perto dele e começaram a cochichar aqui e ali. Um deles reclamou de um tal de Arão que fez um estrago com óleo. Disse que derramou na cabeça, na barba e no vestido de uma tal de Dona Orla. Confirmei qie o cara era cego porque ele falou que a loja tava aberta e então olhei e vi que tava fechada. Nessa hora notei que até lá você era conhecido. Sentiram sua falta e começaram a perguntar: "e o Zé?, e o Zé?, e o Zé?".

Depois aguentei um tempão um sujeito falá umas baboseiras que não entendí nada e, até que enfim, mandaram fazer as propostas. Veio outro sujeito recolher elas com saquinho e então mandei a minha: dava cinqüenta mangos naquela corda pindurada lá em cima, toda enroscada.

Sabe? O cara tava se fazendo mesmo de cego. Ele leu a minha proposta e não disse nada. Acho que fui munheca demais. Aí inventaram que estava chovendo, que tinha goteira na loja e acabaram me pondo prá fora.

Tá certo, Zé, era justo, era perfeito. Mas se acharam pouco o valor que eu escreví, bem que podiam fazer uma contraproposta, não acha?

6 comentários:

welinton disse...

Muito bem humorada crônica. Precisamos de alegria em nossas oficinas e criatividade em nossos corações.


Ir:. Welinton
Loja Mount Moriah nº 3327
GOSP

Cléia S. M. disse...

Respeitável M .'.
Confesso que já aprendi alguns fatos sobre a Maçonaria, história, filosofia, simbologia... Pelo pouco que aprendi adorei a “Carta de um profano a outro”, é bem interessante, e ri bastante, principalmente na parte do "e o Zé?, e o Zé?, e o Zé?" e de “que estava chovendo, que tinha goteira na loja”. Serei obrigada a imprimir esta Carta e mostrar para alguns de seus irmãos lerem. Um abraço, respeitosamente Cléia.

Antonio disse...

Uma forma bem humorada, até de dar uma instrução muito importante:"nunca deixar de fazer telhamento".Com a devida autorização do autor, vou repassar aos irmãos da Loja a qual pertenço.
TAF
Antonio Carlos de Souza.

Anônimo disse...

humorada,muito compacta com diversão.
Abraços.


Agamenon

Anônimo disse...

S.'.F.'.U.'. à todos

O bom humor permanece sendo, sem sombra de dúvida, um dos melhores remédios para os homens.
Obrigado por compartilhar conosco.
T.'.F.'.A.'.

Ir:. Bruno
GLEB

Anônimo disse...

Parabéns pela crônica bem humorada, sorrir faz bem para o coração e o Espirito

TFA.

Ir:. Wallace
Loja Mount Moriah N0.3327
GOSP.

Queres Segredos da Maçonaria?

Então leia o que Fernando Pessoa, um dos maiores poetas da história da língua portuguesa, escreveu sobre o Segredo Maçônico.

Pedras Evoluídas

O Sol nasce e ilumina as pedras evoluídas,
Que cresceram com a força de pedreiros suicidas.
Cavaleiros circulam vigiando as pessoas,
Não importa se são ruins, nem importa se são boas.

Chico Science, cantor pernambucano falecido em 1997. (Uma pedra “evoluída”?)